Precisando de
Home Care?

ou ligue para:
11 2534-9913

Quedas de idosos

As quedas e suas conseqüências para as pessoas idosas no Brasil têm assumido dimensão de epidemia. Os custos para a pessoa idosa que cai e faz uma fratura são incalculáveis. E o pior, atinge toda a família na medida em que a pessoa idosa que fratura um osso acaba hospitalizada e frequentemente é submetida a tratamento cirúrgico.

A cada ano, o Sistema Único de Saúde tem gastos crescentes com tratamentos de fraturas em pessoas idosas. Em 2009, foram R$ 57,61 milhões com internações (até outubro) e R$ 24,77 milhões com medicamentos para tratamento da osteoporose. Em 2006, foram R$ 49 milhões e R$ 20 milhões respectivamente. Para promover a saúde do grupo populacional o Ministério da Saúde chamou as secretarias estaduais e municipais de saúde a realizarem esforços conjuntos para redução das taxas de internação por fratura do fêmur na população idosa.

A quantidade de internações aumenta a cada ano e as mulheres são as mais atingidas. Entre as mulheres foram 20.778 mil internações em 2009 e entre eles 10.020 mil (dados até outubro). Por causa da osteoporose, elas ficam mais vulneráveis às fraturas. Os homens caem, mas não fraturam tanto quanto as mulheres. Em 2001, esses números eram bem menores, 15 mil internações do sexo feminino e 7 mil do sexo masculino.

A queda em idosos pode causar sérios prejuízos à qualidade de vida desse grupo populacional, podendo acarretar em imobilidade, dependência dos familiares, sem falar no índice de mortalidade pós-cirúrgico.

Nos casos mais graves, pode levar até a morte. Considerando todo o país, somente em 2005, foram 1.304 óbitos por fraturas de fêmur. E em 2009 esse número subiu para 1.478.

Com o intuito de reduzir esses valores e promover a saúde na terceira idade, o Ministério criou um comitê assessor instituído para prevenção e melhora da atenção (portaria nº. 3.213, de 20 de dezembro de 2007). O comitê assessor é formado por técnicos do Ministério da Saúde e representantes da Confederação das Entidades Brasileiras de Osteoporose e Osteometabolismo. Esse grupo promove oficinas para debater estratégias de prevenção de quedas e de osteoporose e os cuidados necessários para aquelas pessoas que caem e fraturam.

CAUSAS – A queda em pessoas idosas está associada à dificuldade de visão, auditiva, uso inadequado de medicamentos, dificuldade de equilíbrio, perda progressiva de força nos membros inferiores, osteoporose, dentre outras situações clínicas que culminam para maior probabilidade de uma pessoa idosa cair.

Por questões de segurança, todo idoso deve avisar ao seu médico se caiu nos últimos seis meses. Isto porque é comum a pessoa cair uma primeira vez e não ter maiores conseqüências além do susto. Mas na próxima vez pode ser que o susto se transforme em pesadelo. A queda pode ser notificada através da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa e, assim, a equipe de saúde da família, por exemplo, assume as medidas necessárias para que outra queda não ocorra.

No Brasil, estima-se que exista uma população de 19 milhões de idosos.

Tags:, , Campanha de Vacinação contra a Gripe segue até 10 de maio.

O Ministério da Saúde recomenda aos integrantes do grupo prioritário não deixarem para o último dia. A vacina é a melhor arma para se proteger contra a doença

A campanha de vacinação contra a gripe prossegue até o dia 10 deste mês em todo o país, mas é importante que as pessoas não deixem para o último dia.  Até às 17h desta quinta-feira (02), mais de 24,1 milhões de integrantes do grupo prioritário foram vacinados, o que representa 76,9% do total deste público, formado por 31,3 milhões de pessoas. Deste total, ainda não se vacinaram 7,2 milhões.

A vacina contra agripe é recomendada às gestantes, em qualquer período da gravidez; pessoas com 60 anos ou mais; mulheres até 45 dias após o parto (em puerpério); indígenas, pessoas privadas de liberdade; profissionais de saúde; além dos doentes crônicos. Pais ou responsáveis também devem levar crianças de seis meses a menores de dois anos.  “Aconselhamos às pessoas a não deixarem para o último dia de vacinação, para evitar filas desnecessárias, principalmente os idosos, as crianças e as gestantes”, observou o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa.

Até agora, a região Sul conseguiu vacinar o maior número de pessoas deste grupo, 3,8 milhões de pessas, o que representa 79,8% de cobertura dos três estados.  Neste cálculo estão excluídas as doses aplicadas em doentes crônicos e pessoas privadas de liberdade. Da região Sul, os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul já alcançaram a meta de 80%. Em sequência, a região Sudeste atingiu a segunda maior adesão, com 8,6 milhões de pessoas, ou 62,2% do público-alvo. A região Centro-Oeste, por sua vez, vacinou 1,3 milhões de pessoas, o que representa 61,4% do total. Na região Norte foram imunizadas mais de 1,4 milhões pessoas, correspondente a 59,8% do total e região Nordeste 59,2% do público-alvo, ou seja, mais de 5 milhões de pessoas.

“O Ministério da Saúde recomenda aos municípios que não atingiram a cobertura adequada intensificarem as ações, com a abertura dos postos neste sábado (4) para que a população possa ter acesso à vacina e chegue ao inverno protegida”, recomendou o secretário. A meta do Ministério da Saúde é atingir, no mínimo, a 80% de cobertura.   A vacina contra a gripe é segura e a forma mais eficaz para evitar complicações, internações e até mesmo óbitos por gripe. A vacina protege contra os três principais vírus que circulam no inverno passado (A/H1N1; A/H3N2 e B).

PREVENÇÃO– O Ministério da Saúde ainda recomenda a adoção de medidas de higiene pessoal para evitar a contaminação por influenza. É importante higienizar as mãos com água e sabão, com frequência, principalmente depois de tossir ou espirrar; após usar o banheiro; antes de comer; antes de tocar os olhos, boca e nariz.

Também é recomendável que as pessoas evitem tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies; usar lenço de papel descartável e proteger a boca e o nariz ao tossir ou espirrar.  Também é aconselhável ao doente não sair de casa enquanto estiver em período de transmissão da doença (até sete dias após o início dos sintomas), para diminuir a chance de disseminação e evitar aglomerações e ambientes fechados.

Balanço Parcial da Vacinação contra a Gripe 2013

*Excluindo as doses aplicadas em doentes crônicos (3,7 milhões de doses) e pessoas privadas de liberdade (100 mil doses).

Fonte: www.portalsaude.saude.gov.br

 

Atendemos toda em as cidades do ABC. Cuidamos de idosos em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra!