Precisando de
Home Care?

ou ligue para:
11 2534-9913

Coisas que nunca se deve dizer a uma pessoa idosa com incontinência

 

A incontinência urinária tem efeito devastador sobre a qualidade de vida da pessoa idosa, sendo sinal claro e importante de que a saúde não vai nada bem! Também traz consequências muito sérias para quem cuida, pois aumenta demais o trabalho de cuidar e é fonte de muito estresse.

Como sempre orientamos, antes de achar ruim com a pessoa idosa, ralhar com ela, procure entender e tentar resolver a causa da incontinência com seu médico. Ou pelo menos minimizar seus efeitos. De uma coisa temos certeza: chamar atenção ou punir o idoso só piora tudo, vai deixar o cuidador mais estressado e a pessoa idosa mais triste (não é sua culpa!)

Abaixo, daremos alguns exemplos de situações e comportamento de cuidadores que só PIORAM esta situação:

1. “Eu estou ficando doente e cansada de tanto limpar você. Daqui pra frente, vai usar só fraldas.” (Você só vai fazer a pessoa idosa ficar constrangida e na defensiva.)

Dica de como se comunicar: “Estou vendo que você teve outra vez problema com a urina, nesta noite. Acho que é hora de consultar nosso médico e ver o que está acontecendo.”. (Reconheça que é um problema médico geriátrico.)

2. “Porque você não pode controlar a sua urina?” (Eles não podem. Se pudessem, eles não teriam incontinência!)

Dica de como se comunicar: “Eu sei que isso incomoda. Mas não se preocupe, nós vamos descobrir o que há de errado e como melhorar isto.” (Procure mostrar que compreende e que quer ajudar.)

3. “Você está fazendo isso para me irritar?” (Não, não é proposital.)

Dica de Vous pouvez egalement etudier la facon dont vous pouvez jouer au blackjack en ligne afin que vous puissiez vous tenir bien informes et competents dans le jeu d’ensemble. como se comunicar: “Você tem vergonha de ter incontinência? Não fique assim, eu ouvi dizer que há muitos tipos de incontinência e, para muitos casos, podem ter tratamento e melhora”. (Não deixe um problema de saúde se tornar um problema emocional.)

4. “Chega! Líquidos a partir de agora é só na parte da manhã. Não quero ter trabalho no final da tarde e de noite!” (As pessoas idosas precisam de uma hidratação adequada. Restringir líquidos só vai piorar o estado geral da pessoa idosa.)

Dica de como se comunicar: “Claro, paizinho ou mãezinha, pode tomar sua água à vontade! Não é isso que esta fazendo você perder urina. Vamos ver o que o médico pensa.” (Ser solidário, em vez de controlar.)

5. “Eu não posso levar você a lugar nenhum. Eu não vou aproveitar nada e você vai urinar na roupa!” (Você pode sair com o idoso, sim. Com a preparação adequada, por exemplo colocação de fraldas ( fraldas podem ter muitos outros nomes, tais como calcinha higiênica ou cueca para incontinência), usar o banheiro logo antes de sair e evitar, nessa ocasião, a ingestão de muito líquido antes de sair.)

Dica de como se comunicar: “Eu sei que é difícil a gente sair e não ficar preocupado com sua urina. Por isso, comprei esta calcinha mais forrada, que vai evitar que sua urina vaze. Você não quer parar de viver só por causa disso, né?” (Mostre que existem soluções.)

6. “Não tem mais jeito. A senhora, o senhor terá de usar fraldas pro resto da vida!” (Muitos problemas com incontinência são reversíveis e tem tratamento.  Mas se não tiver, porque ficar mostrando só o lado negativo e colocando a pessoa idosa mais pra baixo ainda.)

Dica de como se comunicar: “Por enquanto, vovô ou vovó, a gente vai te proteger desta perda de urina com as fraldas, até ter uma solução melhor. ” (Não minta, seja realista, mas com postura positiva e sempre buscando melhores soluções. A pessoa idosa irá ficar mais calma e segura de que sua incontinência não é o fim do mundo.)

 

Fonte: Site cuidar de idosos http://www.cuidardeidosos.com.br/coisas-que-nunca-se-deve-dizer/

Tags:, , , , , , , , , , COOPERAÇÃO ENTRE FAMÍLIA E CUIDADOR(A) DE IDOSOS(AS) PROFISSIONAIS

A FAMÍLIA AJUDA NO TRABALHO QUANDO:

auxilia no cuidado para com a pessoa idosa;
• supervisiona as suas funções, sem interferir, dando-lhe condições para realizar o seu trabalho;

• reconhece seus direitos e deveres;
• trata-o como um profissional respeitando os seus direitos trabalhistas;
• incentiva e dá oportunidade para o cuidador se capacitar.

A FAMÍLIA DIFICULTA O TRABALHO QUANDO:
• abandona a pessoa idosa ou fica ausente às necessidades dela;
• interfere em seu trabalho, impossibilitando ou atrapalhando suas funções;
• coloca-o no meio das disputas familiares;
• quando determina que realize tarefas que não são de sua competência e nem inerentes a sua atividade (função também de empregada doméstica);
• não respeita o acordo trabalhista firmado

 

Fonte: SiteCuidardeIdosos

Acidente vascular cerebral – AVC

 

Acidente vascular cerebral (AVC) é uma interrupção do fornecimento de sangue a qualquer parte do cérebro. Um AVC também é chamado de ataque cerebral.

O AVC pode ter várias causas:

  • Malformação arteriovenosa ou aneurisma cerebral
  • Acidente vascular cerebral hemorrágico
  • Acidente vascular cerebral isquêmico
  • Acidente vascular cerebral secundário à dissecção da carótida (sangramento das artérias carótidas)
  • Derrame cerebral secundário à estenose de carótida (estreitamento das artérias carótidas)
  • Derrame cerebral secundário à cocaína
  • Derrame cerebral secundário à febre aftosa (displasia fibromuscular)
  • Derrame cerebral secundário à sífilis

Aproximadamente a cada 40 segundos, alguém nos Estados Unidos tem um derrame. Um acidente vascular cerebral pode acontecer quando:

  • Um vaso sanguíneo que fornece sangue ao cérebro é bloqueado por um coágulo de sangue. Isso é chamado de acidente vascular cerebral isquêmico.
  • Um vaso sanguíneo aberto rompe, causando o vazamento de sangue para o cérebro. Isso é chamado de acidente vascular cerebral hemorrágico.
  • Se o fluxo sanguíneo é interrompido por mais de alguns segundos, o cérebro não pode receber sangue e oxigênio. As células cerebrais podem morrer, causando danos permanentes.

Acidente Vascular Cerebral Isquêmico

O AVC isquêmico é o tipo mais comum de acidente vascular cerebral. Normalmente, este tipo de resultados do curso de artérias obstruídas, uma condição chamada arteriosclerose.gordura, colesterol e outras substâncias acumulam nas paredes das artérias, formando uma substância pegajosa chamada placa de ateroma. Ao longo do tempo, a placa se acumula. Isso muitas vezes torna difícil para que o sangue flua corretamente, o que pode causar a coagulação do sangue. Existem dois tipos de coágulos:

  • Um coágulo que se forma no próprio vaso do cérebro e é chamada de trombo cerebral.
  • Um coágulo que se rompe e se move através do sangue para o cérebro é chamada de embolia cerebral.

Outras causas de acidente vascular cerebral isquêmico incluem:

  • Doenças valvares do coração
  • Inflamação do revestimento interno das cavidades do coração e válvulas cardíacas (endocardite)
  • Válvula cardíaca mecânica

Um coágulo pode se formar numa válvula do coração, romper, e migrar para o cérebro. Por este motivo, aqueles idosos com válvulas cardíacas mecânicas, muitas vezes devem tomar anticoagulantes.

AVC Hemorrágico

A segunda maior causa de acidente vascular cerebral é a hemorragia no cérebro. Isso é chamado de acidente vascular cerebral hemorrágico. Isso pode ocorrer quando pequenos vasos sanguíneos no cérebro tornam-se fracos e rompem. Algumas pessoas têm defeitos nos vasos sanguíneos do cérebro que tornam isto mais provável. O fluxo de sangue que ocorre após a ruptura de vasos sanguíneos danificam as células do cérebro.

Fator de risco para AVC
A hipertensão arterial é o principal fator de risco para acidentes vasculares cerebrais. Também podem aumentar o risco de AVC:
• Diabetes
• A história familiar de AVC
• A doença cardíaca
• O colesterol elevado
• O aumento da idade

Certos medicamentos podem aumentar o risco de formar coágulos no sangue e, portanto, suas chances de um derrame. Pílulas anticoncepcionais podem aumentar a formação de coágulos de sangue, especialmente em mulheres que fumam e que tenham mais de 35 anos.

As seguintes medidas podem aumentar o risco de hemorragia no cérebro, o que torna mais provável que o idoso possa ter risco de um acidente vascular cerebral:
• O uso de álcool
• Hemorragias
• O consumo de cocaína
• Lesões na cabeça

Sintomas
Os sintomas do AVC dependem de qual parte do cérebro está danificado. Em alguns casos, um idoso não pode mesmo estar ciente de que ele teve um derrame.

Os sintomas geralmente se desenvolvem de repente e sem aviso prévio. Eles podem ser episódica ou transitória (que ocorrem e, depois, parar), ou podem agravar-se lentamente ao longo do tempo.

Os sintomas podem incluir:
• Mudança no estado de alerta (consciência)
• Coma
• Letargia
• Sono
• Estupor
• Inconsciência
• Dificuldade para falar ou compreender os outros
• Dificuldade de deglutição
• Dificuldade de leitura ou escrita
• Perda da coordenação
• Perda de equilíbrio
• Movimento de mudanças, geralmente em apenas um lado do corpo
• Dificuldade de mover qualquer parte do corpo
• Perda de habilidades motoras finas
• Náuseas ou vômitos
• Ansiedade extrema
• As alterações de sensação, geralmente em apenas um lado do corpo
• Diminuição da sensação
• Dormência ou formigamento
• confusão súbita
• Fraqueza de qualquer parte do corpo
• alterações da visão
• Diminuição da visão
• Perda da totalidade ou de parte da visão

Avaliação clínica e exames
Saber os sintomas desenvolvidos é importante, quando se trata de diagnosticar um AVC. Os sintomas podem ser graves no início do curso, ou podem piorar lentamente ou que ocorrem de vez em quando para o primeiro dia ou dois.
Um exame neurológico pode sugerir um aumento da pressão intracraniana e piora da função cerebral. Os sintomas específicos(dormência no braço esquerdo ou direito) podem ajudar a pessoa a dizer que parte do cérebro que foi afetada.
Um exame ocular pode mostrar edema do nervo óptico por pressão no cérebro, ou pode haver alterações no movimento dos olhos. Reflexos anormais podem estar presentes.

O médico pode ouvir um ruído anormal, chamado de sopro, quando se usa um estetoscópio para ouvir as artérias carótidas no pescoço.

Os exames podem ajudar o médico a determinar o tipo, localização e causa do acidente vascular cerebral e para descartar outras doenças que podem ser responsáveis pelos sintomas. Os exames podem incluir:
• Angiografia da cabeça para ver quais vasos sanguíneos estão bloqueados ou com sangramento.
• Hemograma completo
• O coagulograma (tempo de protrombina ou tempo de tromboplastina parcial)
• Eletrocardiograma (ECG) para diagnosticar doenças cardíacas subjacentes
• Ecocardiograma, se o AVC possa ter sido causado por um coágulo de sangue do coração
• Duplex de Carótidas (um tipo de ultra-som), se o estreitamento das artérias do pescoço (estenose carotídea) levou ao AVC
• Tomografia ou ressonância magnética de crânio, avaliando a área de acometimetno do AVC.

Tratamento
O AVC é uma emergência médica. O tratamento imediato pode salvar vidas e reduzir a conseqüências motoras ou sensitivas.

É importante levar o idoso ao pronto-socorro imediatamente para determinar se o acidente vascular cerebral é devido à hemorragia ou um coágulo de sangue. Assim o tratamento apropriado pode ser iniciado dentro de 3 horas, quando o AVC deu início aos primeiros sintomas.

O tratamento depende da gravidade e da causa do acidente vascular cerebral. A internação é necessária para a maioria dos AVC.

Tratamento no hospital
Trombolíticos, como o RTPA, pode ser dado se o AVC é causado por um coágulo de sangue. Tal medicamento quebra os coágulos sanguíneos e ajuda a restaurar o fluxo de sangue para a área danificada. Pessoas que recebem trombolíticos são menos propensos a ter problemas a longo prazo relacionados com o AVC. No entanto, nem todos podem receber este tipo de medicamento. A regra mais importante é que a pessoa ser examinados e tratados por uma equipe especializada em AVC dentro de 3 horas, quando os sintomas começam. Se o AVC é causado por um sangramento, em vez de coagulação, trombolíticos podem fazer o dano pior.

Em outras circunstâncias, os diluidores do sangue como a heparina e warfarina são usados para tratar acidentes vasculares cerebrais devido à formação de coágulos sanguíneos. A aspirina também pode ser usada.

Outros medicamentos podem ser necessários para controlar outros sintomas, incluindo pressão arterial elevada. Analgésicos podem ser dadas para controlar dor de cabeça.

Em algumas situações, uma equipe de  neuroradiologistas qualificados pode ser capaz de usar a angiografia para destacar os vasos sanguíneos obstruídos e abri-lo.

Nutrientes e fluidos podem ser necessárias, especialmente se a pessoa tem dificuldades de deglutição. Estes podem ser dadas através de uma veia (intravenosa) ou um tubo de alimentação no estômago (gastrostomia). Dificuldades de deglutição podem ser temporárias ou permanentes.
Para acidente vascular cerebral hemorrágico, a cirurgia é muitas vezes necessária para eliminar o sangramento cerebral e para reparar danos nos vasos sanguíneos.

Tratamento a longo prazo
O objetivo do tratamento a longo prazo é ajudar o paciente a recuperar em função tanto quanto possível e evitar golpes futuros. O tempo de recuperação ea necessidade de tratamento a longo prazo difere de pessoa para pessoa. Dependendo dos sintomas, a reabilitação pode incluir:
• Terapia Ocupacional
• Fisioterapia
• Fonoaudiologia

Terapias como o reposicionamento e exercícios de amplitude de movimento pode ajudar a prevenir as complicações relacionadas ao curso, tais como infecções e escaras. Aqueles que tiveram um AVC devem tentar permanecer tão ativo quanto fisicamente possível.

Formas alternativas de comunicação, tais como fotos, expressões não verbais e outras técnicas podem ser necessária em alguns casos.

Às vezes, sonda vesical na bexiga e programas de controle do intestino podem ser necessários para controlar a incontinência.

Um ambiente seguro deve ser considerado. Algumas pessoas com AVC parecem não ter consciência do seu meio no lado afetado. Outros mostram indiferença ou a falta de julgamento, o que aumenta a necessidade de precauções de segurança.
Modificação do comportamento pode ser útil para algumas pessoas em controlar os comportamentos inaceitáveis ou perigosos. Este consiste em recompensar comportamentos adequados ou positivos e ignorar comportamentos inadequados (dentro dos limites de segurança).

Complicações

  • Aspiração de alimentos na via aérea (pneumonia aspirativa)
  • Diminuição da expectativa de vida
  • Dificuldade para se comunicar
  • Perda permanente das funções cerebrais
  • Perda permanente de movimento ou de sensação em uma ou mais partes do corpo
  • Problemas devido à perda de mobilidade, incluindo a contraturas articulares e úlceras de pressão
  • Fraturas
  • Subnutrição
  • espasticidade muscular
  • Redução da capacidade de cuidar de si
  • Redução das interações sociais
  • Efeitos colaterais dos medicamentos

Prevenção

Para ajudar a evitar um acidente vascular cerebral:

  • Não beba mais de 1 a 2 doses de bebidas alcoólicas por dia.
  • Exercite-se regularmente: 30 minutos por dia se você não estiver com sobrepeso, 60 – 90 minutos por dia, se você está com sobrepeso.
  • Tenha a sua pressão arterial verificada a cada 1 – 2 anos, especialmente se a pressão arterial elevada é executado em sua família.
  • Ter o seu colesterol controlado. Se você está em alto risco de acidente vascular cerebral, o LDL colesterol “mau” deve ser inferior a 100 mg / dL. Seu médico pode recomendar que você tente reduzir o colesterol LDL para 70 mg / dL.
  • Siga as recomendações de tratamento o seu médico se você tem pressão alta, diabetes,colesterol elevado e doenças cardíacas.
  • Pare de fumar.

Ácido acetissalicílico é recomendado para a prevenção do AVC em mulheres abaixo dos 65 anos, enquanto os benefícios superam os riscos. Ela deve ser considerada em mulheres com mais de 65 anos só se a sua pressão arterial está controlada e o benefício é maior do que o risco de hemorragia gastrointestinal e hemorragia cerebral. Pergunte ao seu médico se a ácido acetilssalicílico é ideal para você.

Fonte http://www.cuidardeidosos.com.br/acidente-vascular-cerebral/

Tags:, , Entrando no sessenta

 

Como a mulher e o homem confrontam os 60 anos? O novo filme da diretora Julie Gavras, exibido na mostra internacional de São Paulo e com estreia prevista para 11 de novembro, trata de envelhecimento. De como esconder ou assumir a idade. Aos 60 você se sente maduro, curioso e sábio ou velho, amargo e ultrapassado? O título do filme no Brasil é assombrosamente ruim e apelativo: Late bloomers – O amor não tem fim. “Late bloomer” é uma expressão inglesa que denomina quem amadureceu tardiamente. Em francês, a tradução do título é clara e objetiva: Trois fois vingt ans (Três vezes 20 anos). Uma conta básica de multiplicação mostra que você já viveu bastante. Um dia teve 20 anos. Também comemorou ou receou os 40. E agora, aos 60, passa para o time dos velhos. Ou não?

Isabella Rossellini (Mary) e William Hurt (Adam) fazem o casal protagonista. Devido a um súbito lapso de memória, a mulher, professora universitária, percebe que envelheceu e toma medidas concretas em casa. Aumenta o tamanho dos números no aparelho de telefone, coloca barras na banheira para o casal não escorregar. O homem, arquiteto famoso, se recusa a se imaginar velho, passa a conviver só com jovens e a se vestir como eles. Ela faz hidroginástica, mas se sente fora d’água, organiza reuniões com idosas e mergulha em trabalhos voluntários. Ele vai para o bar, bebe energéticos e vira a noite. Cada um se apega a sua visão de como envelhecer melhor, sem concessões. Ambos acabam tendo casos extraconjugais. Há nos dois um desespero parecido. Mary exagera na consciência da proximidade da morte. E Adam exagera na negação. Depois de décadas de amor sólido, com os três filhos fora de casa e já com netos, o casal se vê prestes a engrossar as estatísticas dos divorciados após os 60 anos, ao descobrir que se tornaram estranhos e por isso ficam melhor sozinhos e livres. O filme é uma comédia romântica para a idade avançada, um gênero quase inexistente.

Julie Gavras não encontrou nenhuma atriz francesa que assumisse com humor os dilemas de uma sexagenária. “Precisava de alguém com a idade certa, mas que não tivesse feito cirurgia plástica”, diz Julie. “Isabella foi perfeita porque entende que, quanto mais velha fica, mais liberdade tem.” Na França, diz a cineasta, “a idade é uma questão delicada para a mulher”. No Brasil, que cultua a juventude feminina como moeda de troca, é mais ainda. Isabella, um dos rostos mais lindos do cinema, disse ter adorado fazer um filme sobre envelhecimento: “São tão poucos e tão dramáticos. E minha experiência tem sido pouco dramática, aliás bem cômica às vezes. Mulheres envelhecendo são vistas como uma tragédia e foi preciso uma cineasta mulher para ver diferente”.

A reação de homens e mulheres ao passar dos anos é diferente? Depende. Da velhice, só escapa quem já morreu

Homens e mulheres reagem de maneira desigual à passagem dos anos? É arriscado generalizar. Depende de cada um. Compreendo que mulheres de 60 sintam mais necessidade de parecer jovens e desejáveis – mas alguns homens idosos se submetem a riscos para continuar viris. A obsessão da juventude eterna criou um grupo de deformadas que se sujeitam a uma cirurgia plástica por ano e perdem suas expressões. Mas também fez surgir outro tipo de sexagenárias, genuinamente mais belas, mais em forma, mais ativas e saudáveis enfim.

“As mulheres nessa idade querem aproveitar o mundo, viajar, passear, dançar, ver filmes e peças, fazer cursos. Os homens querem ficar em casa, curtir a família, os netos”, afirma a antropóloga Mirian Goldenberg, que acaba de publicar um livro sobre a travessia dos 60. “Elas se cuidam mais, eles bebem mais. Elas vão a médicos, fazem ginástica, eles engordam, gostam do chopinho com amigos ou sozinhos. Elas envelhecem melhor, apesar do mito de que o homem envelhece melhor. Muitas me dizem: ‘Pela primeira vez na vida posso ser eu mesma’.”

Da velhice ninguém escapa, a não ser que a morte o resgate antes. Cada um lida com ela de forma pessoal e intransferível. O escritor Philip Roth, aos 78 anos, diz que “a velhice não é uma batalha; é um massacre”. Mas produz compulsivamente. Woody Allen, de 75 anos, dirige um filme por ano, mas acha que não há romantismo na velhice: “ Você não ganha sabedoria, você se deteriora”. Para Clint Eastwood, de 81 anos, que ficou bem mais inteligente e charmoso com a idade, envelhecer foi uma libertação: “Quando era jovem, era mais estressado. Me sinto muito mais livre hoje. Os 60 e 70 podem ser os melhores anos, desde que você mude ou evolua”. Prefiro acreditar em Eastwood. Por mais que a sociedade estabeleça como idoso quem tem acima de 60, a tendência é empurrar o calendário para a frente. Hoje, para os sessentões, velho é quem tem mais de 80. Os octogenários produtivos acham que velho é quem passou dos 90. No fim, velho mesmo é quem já morreu e não sabe.

Ruth de Aquino

http://revistaepoca.globo.com/Mente-aberta/noticia/2011/10/entrando-nos-sessenta.html

 

Tags:, , AS 5 MAIORES PRAGAS NA VIDA DE UMA PESSOA IDOSA

AS 5 MAIORES PRAGAS NA VIDA DE UM PESSOA IDOSA

1- Ficar deitado o dia inteiro ou ficar sentado o ida inteiro, sem qualquer tipo de atividade ou ocupação.

2- Ter problemas de equilíbrio e de saúde que fazem sofrer quedas e acidentes, principalmente quando a casa onde mora também não oferece segurança.

3- Consultar com vários especialistas, tomar vários medicamentos, fazer muitos exames complementares, sem um médico principal para coordenar e gerenciar tudo isso (geriatra).4- Ter problemas de saúde sérios que levam a pessoa idosa a não controlar mais a urina, o que chamamos de incontinência urinária. Quando o idoso passa a usar fralda, sua qualidade de vida e sua independência pioram muito!

5- A pessoa idosa começar a ter problemas sérios de memória, não conseguindo mais cuidar de sua própria vida e de seus interesses e acaba ficando dependente de sua família para todas as atividades do dia-a-dia (Alzheimer, por exemplo).

Fonte: SiteCuidardeIdosos

Artrose, artrite e osteoartrose são a mesma coisa?

O termo artrite é utilizado para definir uma alteração inflamatória que acomete a articulação. Qualquer pessoa seja um atleta profissional, um esportista de fim de semana ou mesmo um indivíduo mais idoso, quando submetido a determinados esforços mais intensos ou mesmo traumáticos, pode desenvolver um quadro inflamatório da articulação que, nesta

fase aguda, recebera a denominação de artrite.A artrite (inflamação da articulação) pode ser sintoma de inúmeras doenças, sendo sempre de vital importância o diagnóstico da doença que originou a inflamação. A artrite dos esportistas, como regra é traumática e deve ser diferenciada daquela das outras doenças reumatológicas, dos processos infecciosos, das doenças microcristalinas e, principalmente, da Artrite Reumatóide, esta sim uma doença específica.

Os termos osteoartrose, osteoartrite e artrose definem uma mesma doença que chega a acometer até 30% da população adulta acima dos casino spiele 50 anos. Se lembrarmos que o prefixo “artro”, vem do grego “arthros” e significa articulação, e a ele juntarmos o sufixo “ite” que significa inflamação, teremos a etimologia da palavra “artrite”. O mesmo acontecerá ao juntarmos o sufixo “ose” que significa degeneração.

Os termos osteoartrite e osteoartrose surgiram posteriormente, para exemplificar melhor a doença artrose, quando foi descoberto que o osso sub condral (embaixo da cartilagem) participava no processo fisiopatológico da Doença.

Resumindo, quando nos referimos a osteoartrose, osteoartrite ou artrose estaremos sempre falando de uma mesma doença, que deve ser tratada o mais precocemente possível, para que a mesma não cause incapacidade.

Manter a atividade funcional de uma articulação praticando exercícios físicos é fundamental para a saúde, pois a inatividade excessiva é extremamente prejudicial. Antes de desenvolver qualquer tipo de atividade física é preciso que a pessoa – em especial aquelas com histórico familiar de osteoartrose – receba uma avaliação da condição de saúde de suas articulações.

Idosos que apresentam fraqueza muscular, anormalidades neurológicas ou algum tipo de deformidade nas articulações
devem evitar exercícios excessivos que sobrecarreguem os membros, prevenindo, assim, o desenvolvimento ou avanço da doença. Exercícios de baixo impacto como natação e hidroginástica geralmente são os mais recomendados aos pacientes com osteoartrose.

Como vimos acima, vários cuidados preventivos podem ser tomados para evitar ou retardar o aparecimento da doença. Exercícios físicos apropriados de alongamento, de musculação e posturais ajudam a manter a cartilagem saudável. Sendo bem orientadas, tais práticas aumentam a amplitude dos movimentos da articulação e fortalecem os músculos para que esta possa absorver melhor os choques, reduzindo, assim, o risco da doença. Porém, se os sintomas estão presentes, é importante consultar um médico especialista.

Fonte: Dr. Márcio Borges (Cuidar de Idosos)

Depoimento da cliente e amiga Claudia Anita Homburger

“Só tenho elogios a fazer para a Friends Care.
Como diz o próprio nome, é realmente um “cuidado amigo”.
Conheço o diretor-fundador, Pedro Alexandre, há muitos anos, e ele sempre se destacou pela gentileza e atenção no relacionamento com as pessoas, mas acima de tudo pela educação e cuidado com que trata as pessoas.
E isto faz toda a diferença na qualidade da empresa.
A presteza é outra característica positiva, que nos faz confiar na Friends Care, e saber que em qualquer emergencia podemos realmente contar com ela.
O que diferencia a Friends Care de outras empresas, é a constante presença de um enfermeiro qualificado, para nos assessorar, orientar e ajudar.
Isto dá muito segurança e confiança, para nós os familiares, que as vezes em momentos dificeis, podemos contar não só como uma palavra amiga, mas também com a solução imediata de um problema.”

 Claudia Anita Homburger
Tags:, , , ,
Atendemos toda em as cidades do ABC. Cuidamos de idosos em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra!